Igreja Adventista do Sétimo Dia de Americanópolis

José Bates

No fim da tarde, o oficial de plantão mandou o jovem José (ainda inexperiente) subir num dos mastros para esquadrinhar o mar à procura de outras embarcações. Não vendo nada, ele começou a sua descida. De alguma forma escorregou, não conseguiu firmar-se e caiu na direção do convés. No último instante, agarrou-se a uma corda e, em vez de ter uma morte quase certa, espatifando-se no convés, foi lançado ao mar. Mergulhou mais e mais nas profundezas.

– Homem ao mar! Homem ao mar! – gritou um dos marujos que o vira caindo. Correndo para a popa, o capitão e seus homens fixaram os olhos nas rodopiantes águas atrás do navio. Não havia sinal do marinheiro que havia caído.

O peso de sua roupa, especialmente das botas, arrastava José cada vez mais para o fundo. Após um tempo que lhe pareceu uma eternidade, ele voltou à tona, mas suas roupas estavam tão encharcadas que ele não conseguia nadar. O navio continuava avançando, e as chances de resgate minguavam rapidamente.

José caíra exatamente onde o tubarão havia estado o dia inteiro.

Quer saber o fim da história? O livro “Retrato dos Pioneiros” (Norma J. Collins, CPB, 2007) torna reais detalhes inspiradores da vida dos primeiros adventistas.

Um pouco da Palavra

“As coisas que são impossíveis aos homens são possíveis a Deus.”
(Lucas 18:27)